sábado, 31 de outubro de 2009

ORQUESTRA ADMINISTRATIVA

.
O ritmo de trabalho, nos dias que correm, por vezes é alucinante. Há então que encontrar formas de descontrair, se possível com alguma imaginação. Divirtam-se!
.

video
.
.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A VISÃO

.




.




.
NÃO QUERO USAR ÓCULOS - Era o que dizia este rapaz antes de a mãe o ter levado ao médico que trata os olhos, o oftalmologista (o-f-t-a-l-m-o-l-o-g-i-s-t-a). Ao perceber que, para ver melhor as coisas à sua volta, tinha de passar a usar óculos, o rapaz começou a imaginar como seriam os seus óculos novos.
"Quero uns óculos especiais, diferentes dos de toda a gente."
Na turma do 2º ano, também há rapazes e raparigas que usam óculos, iguais aos de tanta gente... Tratando-se de um objecto tão especial, e desafiando a sua imaginação, os alunos inventaram óculos para todos os gostos. É de realçar o carácter invulgar e engraçado dos modelos que criaram! Ora VEJAM:
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Entretanto, os óculos do rapaz da história já chegaram e não são nada parecidos com o que ele tinha imaginado. Se os quiserem VER, procurem o livro ou cliquem aqui.
.
.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

QUEM NÃO TRABUCA, NÃO MANDUCA!

.
É também com as histórias que aprendemos a viver e a conviver. Assim, e ainda relacionando esta actividade com a confecção do pão, a história "A Galinha Ruiva" mostra-nos como a colaboração de todos nas actividades do dia-a-dia é essencial para a sobrevivência individual e em grupo.
Isto do ganso, do porco e do gato não quererem ajudar a fazer o pão não caiu nada bem à Galinha Ruiva...
Eis o resumo desta história elaborado pela Maria Madalena, do 3º ano.
.

Era uma vez uma galinha com penas ruivas.
Um dia, a galinha foi passear com os seus pintainhos e encontrou um grão de trigo. Depois disse aos seus vizinhos, ao ganso, ao gato e ao porco:
- Olhem o que encontrei! Quem me quer ajudar a semear o grão de trigo?
- Eu não, estou muito ocupado! - disse o ganso.
- Eu não! - disse o gato.
- Eu não, estou a relaxar - disse o porco.
- Então está bem. Eu semeio sozinha.
Mais tarde, foi dizer aos vizinhos se a queriam ajudar a ceifar e todos disseram que não, novamente. A galinha foi fazer tudo sozinha.
Depois de levar o trigo ao moinho foi perguntar se os seus vizinhos a queriam ajudar a amassar. Mais uma vez, não quiseram dar uma ajuda.
A Galinha Ruiva foi perguntar se queriam ajudá-la a meter o pão no forno, mas ninguém se ofereceu. E ela voltou a fazer tudo sozinha.
Depois perguntou se queriam ajudá-la a comer o pão e eles disseram logo que queriam, com grande apetite! Mas a galinha disse que não iriam comer, porque eles não a tinham ajudado a fazer nada.
.

VISITA AO MUSEU - FRASES SOLTAS

.O fundador foi José Alves Monteiro, que arranjou muitas peças para o museu.
Pedro Soares
Falámos do homem do Paleolítico, que fazia armas e utensílios de pedra lascada.
Ângela
Estava lá uma réplica da gravura encontrada no Rio Zêzere.
Filipa
Quando o guia dizia coisas interessantes, nós escrevíamos no bloco.
Juliana
...até nos mostrou como se fazia a super-cola 3 do Paleolítico. Fazia-se com cera de abelha aquecida com pó de pedras, aquilo era fantástico.
João Nuno
Vimos que no museu estudavam as pedras e limpavam-nas com uma coisa suave e com cuidado, para não estragarem o que lá estava escrito.
Micaela
...vimos vários tipos de casas, chaves romanas, e o guia disse que as chaves romanas eram muito pesadas.
Laura
Vimos os diferentes tipos de casa romana: a granja, a vila, a dómus e a insulae.
Adriana
Os Romanos usavam um pote muito grande, chamado dolium, onde guardavam os cereais e outros alimentos.
Inês
Mais à frente vimos fíbulas, que eram utilizadas como um alfinete de dama.
Maria Inês
...havia lá canalizações romanas feitas em cerâmica e uma coisa que me deixou muito espantado: a chave romana, que era muito maior que as de agora. Para andar com um porta-chaves com chaves daquelas era preciso ser um homem muito forte.
Carlos
Vimos a epigrafia, que é a escrita nas pedras.
Beatriz Esteves
Também havia uma pedra (marco miliar) que foi encontrada junto da Torre dos Namorados, que dizia que faltavam 22 milhas para a Egitânia.
Maria Mesquita
No fim vimos uma pedra muito grande, que era um soldado, e tinha uma espada à frente e um machado atrás.
Rui
Esta visita ao museu deixou coisas importantes na nossa cabeça que vão durar para sempre.
João Pedro
.
Ilustração: Carlos António - 4.º ano
.
.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

REGISTOS

.
Hoje na minha escola fizemos pão. Primeiro juntámos os ingredientes: a farinha, a água morna, o fermento e o sal.
Pusemos a farinha num montinho e fomos deitando a água morna, depois o fermento e o sal.
A seguir, todos amassámos muito bem a massa, que foi levedar num alguidar, isto é, crescer a massa.
Passado algum tempo, a massa tinha duplicado de tamanho. Com essa massa fez-se mais pão, que foi cozer ao forno (patusca).
Quando acabámos, todos nós tínhamos muito apetite para comer o pão! E para acompanhar tínhamos: marmelada e doce de mogango, feitos pelos nossos colegas do 2º e do 4º anos.
Gostei muito deste dia porque foi muito divertido!
..
Texto e ilustração: Beatriz Ramos - 3.º ano
.
Relatório: João Miguel - 2.º ano

.

IMAGENS DA CONFECÇÃO DE PÃO

Todos os anos, por esta altura, os dois edifícios da Escola de Aldeia de Joanes se animam com as lidas e os odores próprios da confecção do pão.
Não nos cansamos de o fazer, pois queremos que esta actividade se torne uma rotina para os nossos alunos. É que, como diz um conhecido autor, o pão, alimento essencial do homem, tem que ser feito, refeito, continuamente refeito...









.
.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

A COMPOTA EM IMAGENS

.
A confecção de compotas, uma actividade que começa a ser tradição entre nós, veio, mais uma vez, pintar a nossa escola com as desejáveis cores da animação festiva e do trabalho. Aqui ficam algumas imagens.
.










segunda-feira, 26 de outubro de 2009

VISITA AO MUSEU

.
Na quinta-feira, dia 22 de Outubro, fomos ao Museu Arqueológico do Fundão, que fica na Rua do Serrão.
Quando lá chegámos, um dos senhores que trabalha no museu levou-nos para uma sala para deixarmos os casacos e os guarda-chuvas. Logo de seguida entrámos no auditório, onde nos foi mostrado um filme sobre o museu.
Quando saímos do auditório fomos para uma sala que continha objectos da Pré-História. Vimos utensílios de pedra lascada e de pedra polida, agulhas e algumas mós. Numa parede estava o mapa do concelho do Fundão com os locais onde foram descobertos os objectos.
Na sala do Período Romano fiquei impressionado com as moedas romanas e com uma chave, que era um bocadinho grande. Não era qualquer um que tinha chaves, só os grandes senhores podiam ter uma chave assim. Depois avançámos e vimos telhas, canalizações e outros materiais romanos.
O senhor que que nos estava a guiar disse-nos que nesta zona havia uma torre, chamada Torre dos Namorados, e depois contou-nos a sua lenda, onde entram dois cavaleiros, uma princesa e um rei. Os dois cavaleiros queriam casar com a princesa, e como ela não conseguia decidir, o pai disse:
- Um constrói um aqueduto desde a Gardunha até aqui, e o outro constrói uma torre. Quem acabar primeiro casa com a minha filha.
Só que eles acabaram a tarefa ao mesmo tempo, no mesmo dia e à mesma hora. Então o rei disse que eles tinham que fazer um duelo, e quando eles iam começar a lutar a princesa meteu-se no meio e foi atingida pelas espadas deles. O lugar onde isso aconteceu passou a chamar-se Mata da Rainha.
Depois desta história o guia levou-nos para uma sala com muitas pedras gravadas com nomes deuses.
Mas já era hora de irmos embora. Fomos buscar os nossos casacos e regressámos à escola.
.
Texto: Diogo Cardona - 4.º ano
.

UMA RAPOSA NA ESCOLA!

.
Motivados para apurarem os seus conhecimentos acerca da raposa, os
alunos do 2.º ano envolveram a família, fizeram pesquisas e realizaram trabalhos sobre este animal.
Quando a curiosidade cresce ainda mais, o melhor é trazer uma raposa para a sala de aula: foi o que fez a Leonor Dinis, que não se fez rogada à possibilidade de trazer para a sala de aula um exemplar embalsamado. Ficam os agradecimentos ao seu avô, que contribuiu para que os colegas da neta pudessem ver mais de perto o corpo deste animal.
Os trabalhos de pesquisa são do João Pedro Batista e do Pedro Melfe.


A COMPOTA

.
Os caloirinhos do 1.º ano gostaram muito de observar a confecção das compotas. Eis um dos vários registos do trabalho observado.
.

Desenho da Carolina - 1.º ano

.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

TEXTO INFORMATIVO

. .
Acreditar na história A Raposa e as Uvas é acreditar na magia da ficção. No entanto, também é importante conhecer a realidade dos seres que vivem no mundo que nos rodeia. Assim, e a fim de proporcionar a diversificação de textos, os alunos leram e analisaram um texto informativo sobre a vida da raposa e preencheram um mapa esquemático para sistematização e compreensão da informação.

Esquema preenchido por Beatriz - 2º ano

.

VIAGEM AO PASSADO

.As referências do passado, sejam elas familiares ou históricas, são fundamentais para melhor entendermos e construirmos o nosso percurso.
Ontem, logo pela manhã, os alunos do 4.º ano deslocaram-se ao Museu Arqueológico do Fundão, onde puderam observar diversos artefactos, encontrados na região, ligados à Pré-História, à Proto-História e ao Período Romano.
Os alunos ficaram encantados com a visita, pois, para além da simpatia, foram presenteados com uma eloquente explicação sobre as diversas peças expostas.
Agora é hora de se trabalharem os dados recolhidos na visita, pois os blocos de apontamentos vieram bem recheados.
.
.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

.
Há dias comemorou-se o Dia da Alimentação. Os alunos do 3.º ano, atentos, recordaram algumas dicas para uma alimentação saudável.
.

Trabalho de Margarida Alves - 3.º ano

Trabalho de Beatriz Pereira - 3.º ano
.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

QUE UVAS SABOROSAS

.
Após observarem imagens e dialogarem sobre as diversas etapas que ocorrem na realização das vindimas, os alunos ouviram contar a história A Raposa e as Uvas.
Feita a exploração da história, chegaram à conclusão que a mensagem desta fábula nos ensina que é fácil desprezar aquilo que não se pode alcançar.
Seguidamente, e com alguma orientação, os alunos elaboraram uma pequena banda desenhada da história que ouviram. Aqui fica um exemplo desse trabalho.
.

Banda desenhada: Duarte - 2º ano

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

ADOÇAR A VIDA

.
A actividade já estava programada há algum tempo e, apesar de se fazer todos os anos, os miúdos aguardavam-na com alguma expectativa.
Antes de se iniciarem as aulas, já as nossas auxiliares andavam às voltas com as abóboras, os mogangos e os marmelos.
Depois de tudo preparado, puseram tudo a cozer e misturaram os diferentes ingredientes. Passado algum tempo, toda a escola estava inundada dum aroma delicioso, convidativo a provas degustativas.
Entretanto, numa das salas de aula - com a ajuda da prof.ª Ivone Leitão, que passou por cá para nos ajudar - tendia-se um pouco de massa, já previamente preparada, em quantidade suficiente para se cozerem alguns pãezinhos. O cozer do pão, com todos os esses e erres, far-se-á na próxima sexta-feira, ficando até lá a compota a aguardar.
A marmelada e o doce de mogango e abóbora ficaram, podemos garantir, uma delícia! Não querem passar por cá e provar?!
.
.

A MINHA FAMÍLIA - II

..
.
Gosto da minha família
A minha irmã chama-se Beatriz
Às vezes a brincar
Chamo-lhe chafariz de Paris.
.
.
A minha mãe é muito bonita
Veste-se sempre muito bem
Eu gosto muito dela
Adoro a minha mãe!
.
.
Gosto muito do meu pai
Ele é professor
E, às vezes
Parece imaginador.
.
.
Adoro os meus avós
Para mim são os melhores
E mesmo daqui a muitos anos
Nunca serão os piores.
.
Texto e ilustração de Pedro Soares - 4.º ano
..
.