quinta-feira, 24 de Abril de 2014

25 DE ABRIL

.
.
Todos saíram à rua
Toda a gente a cantar
E muito rapidamente
Os sorrisos voltaram ao ar.
.
O cravo foi o símbolo
Que representou a felicidade
E hoje ainda se diz
Viva a liberdade!
.
Madalena Filipe - 4.º ano
.
.

SER LIVRE...

.
Desenho de Bruno Luz - 3.º ano
 .
Desenho de Dinis Monteiro - 3.º ano
 .
Desenho de Laura Clemente - 3.º ano
.
.

quarta-feira, 23 de Abril de 2014

TEATRO NA ESCOLA


SINOPSE
.
Gostávamos que tudo fosse perfeito?
Por que é que as princesas têm que ficar presas às aparências?
Existem príncipes encantados?
E os dragões devem ser sempre os maus da fita?
A nossa princesa acredita que tudo pode ser diferente, basta sonhar, deixarmo-nos levar pela imaginação, ser genuíno.
Nas situações mais improváveis a curiosidade vai ensiná-la.
Esta princesa cria novos trilhos, ela é mudança!
.




Hoje, a companhia ANIMATEATRO presenteou-nos, mais uma vez, com uma riquíssima experiência teatral. Com toda a certeza, e durante a apresentação da peça, fomos transportados para o mundo da fantasia, onde a liberdade criativa de cada um projeta sonhos e magias muito para além do cenário, onde a qualidade deste elenco é realmente merecedora de elogios.
À Junta de Freguesia, que patrocinou o espetáculo, o nosso bem-haja.

..

MATRÍCULAS (1.º ANO)

.
.
.

terça-feira, 22 de Abril de 2014

AGENDA DOS PRÓXIMOS DIAS

.
23 de abril - Dia Aberto do Agrupamento - participação do 4.º ano (manhã)
23 de abril - Grupo Animateatro: "Dragões, princesas e muitas certezas" (tarde)
24 de abril - Rotas da Gardunha - 1.º e 3.º anos
29 de abril - Academia de Música: demonstração de instrumentos de corda (4.º ano)
30 de abril - Academia de Música: demonstração de instrumentos de sopro (4.º ano)
.
.

sexta-feira, 4 de Abril de 2014

HISTÓRIA COM FINAL FELIZ

.
.
Viver implica agir, fazer, proceder, movimento enérgico que desencadeia, por inerência, consequências diversas a que ninguém fica imune.
Manhã de quarta-feira. Um casal caminha, como quase todos os dias, na estrada que liga o Fundão a Aldeia de Joanes. De repente dá-se conta que um cachorro - mais tarde viria a verificar-se que era uma menina - os seguia, sem descolar, como que à procura de vínculo. Ao chegarem em frente à escola, e não conseguindo livrar-se dela, resolveram entregá-la aos cuidados da Teresa, a nossa auxiliar, como que a passar o fardo para outras mãos. A Teresa nem teve tempo para pensar, pois era tempo de entrada na escola, e os alunos logo se envolveram na situação. Já se sabe, qualquer cachorro adora brincar, e a nossa menina não fugia à regra. Entre corridas e festinhas, reforçadas a cada instante com a chegada de outros alunos, foi-se criando uma teia de afetos, traduzida em olhos brilhantes, a que ninguém ficava alheio.
Havia, contudo, que colocar alguma racionalidade na questão, e comunicou-se a ocorrência à GNR, que prontamente entrou em contacto com o Canil Municipal. As aulas lá começaram, mas as cabecitas das nossas crianças não davam mostras de se desligar da presença da "intrusa", dando azo a conversas que desembocavam sempre no mesmo.
Chega o intervalo, e com ele a interação com a cachorrinha. As brincadeiras habituais ficaram para trás, apenas a alegria irreverente daquele pequeno quadrúpede - sempre sob o olhar atento da Teresa - prendia a atenção da pequenada. Sem se darem conta, os laços iam-se reforçando.
Acabado o intervalo, e sem sinal de vida do pessoal do Canil, alguém sugere: e se ficássemos com a cadelinha? Ponderada a questão, e com os afetos a falarem cada vez mais alto, considera-se que talvez valha a pena. E, quando finalmente surgem duas pessoas ligadas ao Canil, a ideia está mais que assente: ficamos com ela. A decisão, como é fácil de prever, provocou ondas de entusiasmo nos nossos alunos.
Começa então a desenhar-se um movimento de vontades. Contacta-se a veterinária Mónica Andrade, que prontamente se disponibiliza a analisar a cadelinha. Vacinar e desparasitar surgem como consequência lógica de quem gosta de animais e sabe o que deve ser feito, para além dos mil e um cuidados a ter com um ser de tão tenra idade. E atrás vem uma mantinha, a necessária ração, um "cartão de cidadã"... No seio dos alunos, que levaram a novidade com eles para o almoço, há alguém que aparece com uma trela, outros sugerem mil e uma outras coisas. A corrente de afetos estava imparável, já ninguém conseguia ficar imune. E a tarde, bordada entre as aulas e o cativante saltitar da menina, lá se passou.
Quinta-feira, contudo, as coisas mudaram de rumo. É que a cadelinha, afinal, tinha dono. De manhã, enquanto fomos à Biblioteca Eugénio de Andrade, passámos incólumes a essa facto, mas já alguém se tinha abeirado da escola para esclarecer a situação. E isso concretizou-se depois de almoço, com o dono da cadelinha a apresentar, muito corretamente, as suas razões. Contra factos não há argumentos, e o senhor lá levou a cadelinha. Mas, antes de ir, teve oportunidade de verificar a onda de tristeza que por ali ficava, à qual não ficou insensível.
Hoje, ainda antes das nove horas, o dono do animal abeirou-se da escola. Tinha sentido, na véspera, o apelo de tanta ternura à solta, e vinha entregar a "nossa menina" aos cuidados da pequenada, considerando que ali ela seria muito mais feliz. Apenas pedia uma coisa: que a cadelinha conservasse o nome de Taiti, pois era assim que tinha sido batizada. Compreendemos que, naquele pedido, havia como que o conservar dum determinado vínculo afetivo, e a nossa resposta só podia ser uma: concordámos. 
Quando se espalhou a nova, entre os alunos, de que a cachorrinha ficava connosco, a alegria, é bom de ver, foi geral. Felizmente, e contrariando tendências cada vez mais pessimistas, ainda há histórias com final feliz.
.
Nota: A vida é muito mais que simples foguetório. A partir do momento em que a Taiti ficou a nosso cargo, os alunos vão ter que aprender a ser responsáveis no seu crescimento. E, como todos sabemos, ele não é feito só de festinhas.
.
.

MIMOS DE PÁSCOA

E para adocicar este final de período, todos os alunos "confecionaram" um mimo simbólico, alusivo à época, onde alguns ovos de chocolate e algumas amêndoas deram o toque final.
Feliz Páscoa!
 
 

 
 .
.



BRINCADEIRAS DE PÁSCOA

Chegada mais uma interrupção letiva, o último dia de aulas deste período foi praticamente dedicado ao convívio e à partilha de jogos e brincadeiras.
No período da manhã, realizaram-se jogos matemáticos e dobragens em papel.
De tarde os alunos, verdadeiros "coelhinhos" de Páscoa, juntaram-se e jogaram ao "Caça ao Ovo". Primeiro numa versão semelhante à batalha naval e seguidamente numa versão muito mais solta e saltitante! Para terminar em grande, alguns alunos do 4.º ano apresentaram a "Dança dos Coelhos"!
De tanto saltitarem, a visualização do filme "Os Smurfs" trouxe alguma calmaria, mas também muita animação...
.
"Caça ao Ovo"
 
.
 
.
.

Os alunos de cada turma esconderam ovos de chocolate para os colegas
os encontrarem!

Dança dos Coelhos
.
.


AVALIAÇÃO DO 2.º PERÍODO

.
Informam-se os pais/encarregados de educação dos alunos da Escola EB1 Aldeia de Joanes que a entrega das avaliações referentes ao 2.º Período se fará na próxima quinta-feira, dia 10 de abril, das 9 às 13 horas.
.
.

quinta-feira, 3 de Abril de 2014

A BRUXA ZANAGA

.
.
Cada vez que a nossa escola vai à Biblioteca Municipal Eugénio de Andrade, já se sabe: os olhos brilham mais que o habitual, refletindo o calor que se vai aconchegando, de forma harmoniosa, no nosso interior. Não é só de agora, é um "amor" de sempre, daqueles que acontecem à primeira vista e que, na multiplicidade de vivências, encontrou a fórmula ideal para a sua sustentação.
Hoje receberam-nos com a Bruxa Zanaga, de Margarida Castel-Branco, e a Gabriela e a Angelina foram completamente "esbrenhuxas" na forma como assumiram o seu papel. Mais uma vez, a juntar a tantas outras.
Obrigado, "meninas da Biblioteca"!
.
.
Entretanto, para os interessados, na Biblioteca continua patente, até 12 de abril, a V Feira do Livro Infantil, com um considerável e diversificado leque de obras e autores. Se puder ir até lá, vai ver que não se arrepende.
.
.