segunda-feira, 26 de setembro de 2016

OS NOSSOS CALOIROS

.
.
O ciclo da vida escolar é mesmo assim. Há os que partem, e que nunca esquecemos, e há os que chegam, conquistando a nossa atenção, o nosso carinho, a nossa dedicação... O brilho que trazem nos olhos, salpicado de um misto de curiosidade e de um incansável desejo de tudo conquistar, vai pintando os espaços onde permanecerão nos próximos tempos.
Os nossos vinte e cinco caloiros já se "instalaram" e já embarcaram nesta nova viagem, onde não faltarão descobertas e aventuras e onde o saber, o saber ser e o saber estar povoarão sempre os seus dias.
Aqui para nós, faça chuva ou faça sol, estes pequenos e divertidos tripulantes não desperdiçam brincadeiras e, muitas das vezes, sempre que os vemos sorrir, também nós sorrimos com eles.
Desejando a todos um bom ano escolar, aqui deixo palavras do professor Agostinho: "As crianças, num mundo só delas, continuam a povoar a escola de estrelas".
Sejam bem-vindos, amigos!
.

sábado, 24 de setembro de 2016

O MEU ESTRANHO AVÔ

.
A criatividade duma pessoa, na vida, pode adquirir contornos muito estranhos, tendo em conta o conceito de normalidade que nos é imposto. De tal forma que, por vezes, até os familiares e amigos, a excelência da cumplicidade, a não compreendem muito bem, podendo até suscitar emoções contraditórias.
Mas para sinopse já chega. Condido-vos, pois, a mergulhar na curta metragem "My Strange Grandfather", de Dina Velikovskaya. Vão gostar, com toda a certeza.
.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O LEÃO E O CANGURU

.
As férias lá vão ficando para trás e agora a onda é outra! :)
Por falar em onda, ontem, os nossos caloiros "despediram-se" do verão ouvindo a história "O Leão e o Canguru", de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Mergulharam nas ondas desta aventura, conheceram dois amigos inseparáveis e dialogaram sobre o valor da amizade.
Em nome da inequívoca importância da motivação para a leitura e escrita, o nosso projeto "Um Livro, Um Tesouro" abriu assim as portas a mil e uma aventuras.
Aqui deixamos, como exemplo, a ficha de leitura realizada sobre esta obra, recomendada pelo PNL para o 1.º ano de escolaridade.
.
.


 .
Trabalho de Renata Ferreira - 1.º ano
.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

PARABÉNS, JOSÉ!

.
.
Há uma altura da vida em que as coisas têm uma intensidade única, onde tudo parece adquirir uma dimensão num só sentido, com sabores e aromas condimentados pela imaginação e pelo sonho. Tudo é modelável, tudo é possível, numa fase em que o mundo tem contornos bastante atraentes, em que o maravilhoso tem um papel determinante.
.
.
O José está nessa fase. De personalidade forte, com voz a condizer, exprime ideias e sentimentos com convicção, derramando nos seus heróis, representados por bonecos ou cromos, toda a vitalidade que lhe corre nas veias.
O José, contentíssimo da vida, comemorou hoje, rodeado de amigos, tripulantes do mesmo barco na aventura da vida, o seu oitavo aniversário. Parabéns, José!
.
.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

ESCOLA SEGURA

.

.
Todos os anos é assim. Aparecem no início do ano, munidos de apetrechos (cadeirinhas para as crianças utilizarem no automóvel, desdobráveis...) para melhor ilustrarem o que pretendem, e esforçam-se por passar, da melhor maneira, a sua mensagem: a importância de cultivar hábitos de segurança.
Eles são a equipa da Escola Segura, da GNR, figuras incontornáveis na vizinhança de qualquer estabelecimento de ensino. Na sua essência, salvo as devidas distâncias, não deixam de ser modernos anjos da guarda.
.
.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

PARABÉNS, SOFIA!

.
 .
Eu sou a Sofia e ontem fiz 6 anos. Entrei para o 1.º ano e neste primeiro dia de escola festejei o meu aniversário com os meus colegas e a minha mana Joana.
Gosto de ouvir histórias e de ir à piscina.
O meu animal preferido é o cavalo. Eu adoro cavalos!
Gosto de comer uvas sem casca, morangos e amoras.
As minhas cores preferidas são o cor-de-rosa e o azul. Hoje o meu vestido é cor-de-rosa e até me disseram que parecia uma princesa. 
No recreio brinquei com as minhas amigas e com o relógio que me ofereceram.
Os meus colegas cantaram-me os parabéns e disseram que o bolo estava maravilhoso!
Estou muito contente!

 .

terça-feira, 13 de setembro de 2016

ANO LETIVO 2016/2017

.
.
As férias, cumprindo a sua função regeneradora, já lá vão, e a nossa escola vai readquirir, como é seu timbre, uma animação como só as crianças sabem.
O primeiro dia será apenas para pais e encarregados de educação, pois nestas coisas convém sempre, previamente, definir filosofias, intenções e normas de funcionamento. Assim sendo, a abertura oficial far-se-á do seguinte modo:
.
14 de setembro, às 9 horas - Reunião com os pais/encarregados de educação, com, grosso modo, a seguinte Ordem de Trabalhos:
 - Apresentação;
 - Calendário Escolar;
 - Regimento Interno;
 - PNPSE
 - Critérios gerais de avaliação;
 - PAA;
 - Projetos da Escola;
 - AEC´s;
 - Horário da turma;
 - Outros Assuntos.
.
Para os alunos - com enorme vontade de se reverem, adivinha-se - a abertura está reservada para o dia 16, sexta-feira, com o horário a ser cumprido na íntegra. Será, com toda a certeza, um dia de emoções e de muitas novidades, com a saudade a ser, finalmente, saciada.
Um bom ano para todos!
.
.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

BOAS FÉRIAS!

.
.
.
.
.

sábado, 11 de junho de 2016

VISITA DE ESTUDO A COIMBRA

.
.
Gostaríamos muito que a reportagem fosse mais efetiva, mais pertinente, mais completa mas, infelizmente - e no melhor pano cai a nódoa - uma das máquinas fotográficas, a que acompanhava as turmas do 1.º e 3.º anos, "colapsou" em serviço depois do almoço, e da forma mais inglória: é que, quem a manipulava, não se apercebeu que, por qualquer toque involuntário, a máquina ficou em "modo de filmagem", gorando-se, assim,  todas as tentativas de fotografar, apesar de quem clicar pensar o contrário. Acontece. Pelo facto, completamente involuntário, as nossas desculpas. 
.
.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

POR TERRAS DO MONDEGO, ETERNO GALANTEADOR DE COIMBRA

.
 .
O programa prometia, sem dúvida. Desenhado um polígono, na planificação, sob a égide do Mondego, em cujo remanso das águas muitos estudantes se aprenderam a descobrir, estabeleceram-se vértices no Exploratório, no Parque Verde, no Portugal dos Pequenitos e no Basófias.  E lá fomos, confiantes, convictos de que novas vivências nos aguardavam para enriquecer o currículo dos nossos alunos.
.
.
No Exploratório apelou-se à racionalidade e ao sentido de descoberta, bem temperados com uma dose q.b. de maravilhoso. E foi assim, como quem não quer a coisa, que os nossos alunos mergulharam nos meandros dum mundo que para tudo procura explicação. No caso, tratou-se da aparente (só aparente, garanto-vos) simplicidade do ovo, da formação das cores, das complexidades do corpo humano. Tudo muito bem organizado, muito bem gerido. Por ali, parece-nos, cultiva-se o conhecimento com boa dose de encantamento.
.
.
O almoço foi no Parque Verde, amparado no constante sorriso do Mondego. Cada um, resguardado em sombra zombeteira do sol, que bem se esforçava por aquecer o dia, procurou saciar o apetite com rancho melhorado. Pois é, não é todos os dias que se sai de casa, em atitude festiva.
.
.
À tarde o grupo dividiu-se: enquanto uns começavam por explorar o Portugal dos Pequenitos, os outros entravam a bordo do Basófias, o barco reinante daquelas águas. E depois, naturalmente, efetuava-se a permuta.
Os anos passam mas, dê o mundo as voltas que der, o Portugal dos Pequenitos continua a atrair sucessivas gerações. Nem as novas tecnologias conseguem fazer esquecer aquele território liliputiano, capaz de despertar, em qualquer criança, o mundo maravilhoso que a habita.
.
.
A viagem no Basófias foi a sobremesa inesquecível do passeio, ponteado de cores e sabores. Sulcando, suavemente, as águas do Mondego, o barco propicia aos passageiros um momento relaxante, enquanto se deliciam com a paisagem, onde pontifica, aqui e ali, o busto dos edifícios mais emblemáticos da cidade. Natural, portanto, algum entusiasmo observado.
Começava a sentir-se a hora do regresso, mas antes disso nova paragem, para abastecimento, no Parque Verde. E eles, sem se fazerem rogados, atestaram: de comida, de brincadeiras, do prometido gelado.
Gosto de partidas, mas também gosto de chegadas, dizia alguém, a nosso lado. E foi muito agradável assistir, pelas nove da noite, à alegria do reencontro entre pais e filhos. 
Para nós, fica o sentimento de dever cumprido. É a nossa recompensa.
.
.
Nota: Brevemente, como é da "praxe", publicaremos uma extensa reportagem fotográfica.
.
.