terça-feira, 25 de Novembro de 2014

COMO FUNCIONAM OS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS?


De há algumas aulas para cá, os alunos do 3.º ano têm vindo a conhecer como funciona o corpo humano.
Desde as células, tecidos, órgãos que formam os vários sistemas, ao organismo, eles têm ingerido e digerido informação, circulado por diversas vias de aprendizagem, respirado vocabulário, expulsado dúvidas e reproduzido experimentalmente alguma dessa "mecânica" da interiorização dos conhecimentos.
Durante o estudo do sistema respiratório, uma das experiências propostas à turma foi a criação de um simulador para poderem observar os pulmões durante os movimentos respiratórios.
.
.
E antes que a atividade fosse realizada na sala de aula, já a Margarida, com a ajuda do pai, a tinha colocado em prática. Trouxe então o pequeno simulador para a escola e, na sua apresentação, exemplificou os dois movimentos que ocorrem na respiração:
.
Inspiração (entrada de ar nos pulmões).

Expiração (saída de ar dos pulmões).
 
Um outro aspeto observado foi também a importância do diafragma, que contrai na inspiração e relaxa na expiração (tal como ilucida o pequeno vídeo abaixo), auxiliando assim o processo da respiração.
Muito bem, Margarida!
.


 

.

segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

A MANTA, UMA HISTÓRIA AOS QUADRADINHOS (DE TECIDO)

.
.
Para quem gosta de ouvir/ler histórias, qualquer espaço pode ser um bom ambiente, qualquer tempo pode ser tempo de abrir e folhear um livro. Mas há também quem conte histórias sem precisar de livros, como a protagonista do livro intitulado "A Manta"escrito por Isabel Minhós Martins.
Neste livro há uma manta de retalhos, uma avó com boa memória e muitos netos de ouvido atento. À noite, bastava a avó olhar para a manta e todos os enredos e personagens que lá moravam davam início à sessão. Em cada retalho, havia sempre uma história para contar...
.
.
Os nossos caloiros, num ambiente bem aconchegante, diga-se :), deixaram-se envolver em cada pedacinho de história e também eles trouxeram de casa pedaços de tecido com as mais diversas histórias para contar, como se folheassem um pequeno álbum de família.
.
.

Havia retalhos com os mais variados padrões, das mais diversas cores e, em cada um, divertidas memórias que partilharam com os colegas.
.
.
Retalhos que eram das calças ou da camisola do irmão (quando este era mais novo), retalhos que eram da saia da avó ou de uma tia muito esquecida, retalhos que eram de um tapete já gasto pelo tempo... Memórias, valores afetivos, contados pelos mais pequenos.
.
.

Esta é uma história que ainda vai dar "pano para mantas"! ;)
.
 

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

DIA DE ENCANTOS

.
.
A semana, embalada pelo ritmo constante da chuva, rico em variações, foi de intenso trabalho em todas as turmas. 
Hoje, contudo, o sol apareceu, desbloqueando sorrisos e vontades várias, abrindo caminho para pequenas maravilhas. E, como se da coisa mais natural se tratasse, uma ave de coração grande resolveu presentear os nossos pequenotes com a sua capacidade de fazer ninhos, tecidos em amizade e ternura, capazes de despertar um brilhozinho nos olhos.
Hoje, sob a égide do sol, na escola despertaram pequenos encantos.
.
.

III CONCURSO DE MINIATURAS DE ÁRVORES DE NATAL

.
Os vencedores do concurso de há dois anos.
.
Clique para aumentar
.
.

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

EUGÉNIO DE ANDRADE - BIOGRAFIA

.
.
Nome: José Fontinhas
.
Data de nascimento: 19 de janeiro de 1923
. 
Local de nascimento: Póvoa da Atalaia - Fundão
.
Profissão: Poeta, escritor e tradutor.
.
Obras: As Mãos e os Frutos; Até Amanhã; Mar de Setembro; Branco no Branco; Os Lugares do Lume; O Sal da Língua;...
.
Factos importantes: Recebeu o Prémio da Associação de Críticos Literários em 1986. 
Recebeu o Prémio D. Dinis em 1988. 
Recebeu o Prémio Camões em 2001.
.
Trabalho realizado por Hugo Alencar - 4.º ano
.
.

quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

A MINHA FAMÍLIA

.
Desenho de Lara Faria - 1.º ano
.
A família, centro gravitacional de qualquer criança, é a instituição onde, sob a transversalidade dos afetos, se forjam os primeiros olhares para o mundo, assumindo-se como cordão umbilical de perpétua duração.
.
Desenho de Beatriz Ribeiro - 1.º ano
.
Quando uma criança, de tenra idade, tenta retratar o que a rodeia, todo e qualquer ângulo de observação poderá ser revelador: o traço, a cor, a composição, o tamanho...
.
Desenho de Joana Augusto - 1.º ano
 .
Seja como for, quando uma criança de 6 anos se envolve na tarefa de desenhar a sua família, há algo de muito forte que a motiva, que a impele.
.
Desenho de José Martins - 1.º ano
 .
Os afetos, os imprescindíveis afetos, são sempre elemento condicionador da composição, deixando, aqui e ali, sinais reveladores da forma de como se olha o mundo. 
.
Desenho de Matilde Saraiva - 1.º ano
.
À medida que a criança vai crescendo, com novos dados sobre o mundo que a rodeia, o traço com que representa as coisas vai-se alterando: começam a surgir mais pormenores, o traço fica mais definido, o critério de utilização das cores é mais seletivo.
.
Desenho de Rodrigo Antunes - 1.º ano
.
A forma como uma criança vê o mundo está em constante mutação. Mas, para lá de todas as considerações, fica a certeza: o registo destes "artistas" irá, quando eles crescerem, despertar alguns sorrisos.
.
.

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

HOTEL TAITI *****

.
Hoje, sem pompa mas com bastante circunstância, inaugurou-se o Hotel Taiti, a nova residência da "nossa menina", a cadelita que tem vivido na escola desde o passado mês de abril (vale a pena recordar a história da sua chegada aqui).
Ansiosa por conhecer o seu novo espaço, explorou-o e depressa se acomodou na sua nova "casa", onde estará bastante mais protegida das diversas condições atmosféricas.
Ela conquistou-nos desde a sua chegada e mimos não lhe faltam!
O nosso sincero agradecimento!
.

.

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

O QUE SERÁ ISTO?

.
.
Um dos cantinhos da nossa escola conheceu, hoje, um movimento inusitado. Aos poucos, pelas mãos de trabalhadores experimentados, começou a insinuar-se, sob a árvore, uma pequena construção. Que será isto?
.
.

PARABÉNS, MARIANA!

.
.
Sou a Mariana
fiz anos no fim de semana
gosto de banana
e de brincar com a Ariana.
.
Soprei oito velinhas
foi uma grande animação
festejei com a família
de alma e coração.
.
Recebi alguns presentes
abraços e miminhos
um diário da Violeta
para escrever segredinhos.
.
A minha série preferida
é a "Violeta"
gosto como ela se veste
parece uma borboleta.
.
A vida que me deram
aos meus pais quero agradecer
sou uma menina meiga
que continua a crescer...
.
.Poesia: Mariana Martins
.
 
.
.
.

sábado, 15 de Novembro de 2014

CARTA A UMA AVE QUE DEMORA A PARTIR

.
Júlio Resende, Voo de aves
.
Foram quatro anos maravilhosos, foram quatro anos em grande. Se reparares bem nas fotos que tirámos, na altura, aquilo que tu cresceste! E foi bom ver brotar, lentamente, as tuas asas, sentir a tua vontade de voar. Para isso experimentámos rampas, falámos do perigo das quedas, ajustámos a dimensão do voo à tua medida... E, enquanto nos tentávamos olhar, olhos nos olhos, com um sorriso sempre pelo meio, para melhor entendermos as coisas, demos conta que o tempo passou num instante, não foi?
Agora, já mais crescido, e a começar a subir os degraus para outra dimensão, sentes a tentação de olhar para trás. Ainda bem que olhas, é sinal que aqui foste feliz. Mas repara, o mundo, tal como sempre falámos, tem uma dimensão ímpar, apenas necessita que, para o entendermos, o olhemos bem nos olhos. Ele tem os seus segredos, os seus desafios, mas assim é que tem graça. Já pensaste que, se tudo fosse igual, os sorrisos tendiam a desaparecer?
Eu sei que estás a ir bem, que estás a conhecer novos colegas, novos professores, e que, quando algo não corre como querias, te lembras do cantinho aconchegador que é a nossa escola. Podes passar por aqui as vezes que quiseres, já sabes, há sempre um sorriso à tua espera. Mas, lá no fundo, tu e eu sabemos que, para se ser feliz, é preciso enfrentar os dias de vento, perceber a chuva, saudar o sol... Tu entendes-me, não é assim?
Está na hora de seguir em frente, de conhecer novas realidades, de mostrar o que vales. Tenho a certeza que, se olhares as coisas bem de frente, vais descobrir que elas começam a sorrir para ti.
As tuas asas cresceram muito, acredita, têm uma dimensão que ainda não descobriste. Vá, está na hora de, definitivamente, as abrires, as maravilhas do mundo esperam por ti. Vai, voa!
.
.